A truta marisca

Salmo trutta trutta Linnaeus, 1758

Ordem: Salmoniformes
Família: Salmonidae


Truta marisca
Reo
Sea trout

 

Espécie anádroma, pelágica e eurihalina. Existem no rio Minho duas sub-especies de truta, a truta marisca (Salmo trutta trutta) é a forma migrante, sendo a truta fario (Salmo trutta fario) a forma sedentária. No rio minho a sua alimentação é diversificada, incluindo crustáceos, insectos, gastrópodes e peixes. É comum no Verão a entrada de exemplares de maior porte que procuram no Inverno as águas frias e oxigenadas para se reproduzirem. Os juvenis passam 1 a 2 anos no rio antes de migrarem para o mar. É uma espécie muito apreciada pelos pescadores lúdicos e desportivos.

portugal.png
espana.png
reino-unido.png
 

Morfologia

De corpo fusiforme, pedúnculo caudal arredondado e barbatana adiposa com margem alaranjada. A barbatana dorsal possui 8 a 10 raios, a anal 12 a 18 e a caudal 18 a 19 raios. A coluna vertebral é formada por 57-59 vértebras. Quando recém-chegadas do mar distinguem-se facilmente das trutas de rio (Salmo trutta fario) pelo seu aspecto prateado e pequenas pintas escuras. Após passarem algum tempo na água doce ficam mais escuras tornando-se a distinção mais difícil. Jovens trutas são distinguidos dos salmões pela presença de 9-10 manchas azul-acinzentadas e um ponto vermelho entre cada uma. Têm menos de 130 escamas na L.L. e o número de escamas entre a barbatana adiposa e a linha lateral varia entre 13-16.

Este peixe pode chegar a atingir os 140 cm e um peso de 20 kg, no entanto, o seu comprimento costuma variar entre os 23 cm e os 57 cm. Pode viver durante 38 anos. Espécies similares são a truta de rio (Salmo trutta frario) e o salmão (Salmo salar).

Salmo trutta trutta
Salmo trutta trutta

Adulto

press to zoom
Salmo trutta trutta
Salmo trutta trutta

press to zoom
Salmo trutta trutta
Salmo trutta trutta

press to zoom
Salmo trutta trutta
Salmo trutta trutta

Adulto

press to zoom
1/18
 

Biologia

Espécie anádroma, pelágica e eurihalina.

Regressam ao rio onde nasceram para se reproduzir, sofrendo durante essa fase, alterações físicas, nomeadamente deformação da mandíbula e intensificação da coloração. 

Os ejemplares maiores (0.8-1 Kg) iniciam a subida do rio no veráo (setembro) enquanto em Fevereiro é comum a migração de trutas mais pequenas. Preferem águas frias e bem oxigenadas para a postura. A reprodução ocorre no inverno. Podem reproduzir-se mais do que uma vez durante o seu ciclo de vida. Os alevins crescem rapidamente em águas frias e bem oxigenadas. Permanecem entre 1 e 2 anos antes de migrarem para o mar.

Life cicle Salmo trutta
 

Distribuição

Distribui-se por rios e ribeiros de águas frias, limpas e bem oxigenadas, estuários e águas costeiras.

 

Conservação

Espécie autóctone. Habitat limitado pela existência de barragens que impedem a sua migração para montante. São muito sensíveis à alteração da qualidade da água.

- Libro Rojo de los Vertebrados de España​: (V) Vulnerable

- Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal: (CR) Criticamente em perigo

 

Pesca

Alta importância comercial.

Os pescadores desportivos e lúdicos apreciam muito esta truta. 

No estuário, podem ser pescadas com redes de tresmalho entre Março e Junho e com o botirão e a cabaceira entre Abril e Maio, na parte mais alta do rio.

Em todo o troço internacional os pescadores desportivos podem pescar com canas e linhas entre Março e Julho.